terça-feira, 5 de junho de 2012

Amorosa



Respiro o teu corpo:
sabe a lua-de-água
ao amanhecer,
sabe a cal molhada,
sabe a luz mordida,
sabe a brisa nua,
ao sangue dos rios,
sabe a rosa louca,
ao cair da noite
sabe a pedra amarga,
sabe à minha boca.

Eugénio de Andrade

3 Desejosos(as) comentaram:

Senda disse...

Es un poema bellísimo. Enhorabuena por tu blog.

O Sussurrar do Corpo disse...

gulosas
um sussurro

Ipnauj disse...

Con los sabores conozco al mundo.

Un gran saludo.

Enviar um comentário